Terça-feira, 11 de Janeiro de 2005

Uma vasta e densa forma de ataraxia

Nuance-45a.JPG


Uma vasta e densa forma de ataraxia.
Sobrevalorização de ideias redundantes que nada significam. Implicações de vida simples e trépidas como o ar. Respiração. Fôlego. Brisa. Doce. Amargo. Eu. Existo. Ou talvez não.
Existir voando sobre o corpo, planando tudo aquilo que resta de mim. Quero limar as arestas daquilo que sou e não me é permitido. O extenuante prazer das formas. O lânguido sabor a mel. Tudo isto não é mais que viver.
Um desenho sobre uns livros representa aquilo que sou…ou outrora fui…interrogo-me agora se não serei demasiado pequena para mim própria e a morte não será a minha liberdade.
A ataraxia volta a inundar-me. Fechar os olhos e rezar preces que não sei de cor e nunca ouvi completamente. Deuses fictícios, imagens fantasiásticas, filmes, pornografia, melancolia, maçãs, dedos, tecnologia, e um lápis em repouso. Reconhecer aquilo que sou perante os outros. Assumir a minha força e desvendar mistérios de alguém. Porque não os meus? Um corpo de mulher. Homossexualidade. Orgias. Amor. Paz. Serenidade. Escuridão. Negrume. Luto.
Arte e artista, sinónimos de tristeza, apatia? Talvez sim de incompreensão e dor. Notas soltas voando na plenitude do sofrimento. Poemas escritos ao sabor da água, da espuma, das marés, influenciados por passados, desejos, e um país repleto de poetas, doentes e vigaristas.
Os objectos mantêm-se quietos, imóveis. Agora vejo como são assustadores. Não estão mortos mas não têm vida. Fotografias de momentos representantes de ânsias, de uma sofreguidão abundante em pequenos corpos, firmes, suaves, completamente borrados, enfim, jovens, mas com manchas de velhos. Tecidos soltos, meias, ligas, batons, vernizes. Sombras de alguém? Afirmações.
Afirmações feitas, ditas pela milésima vez, construídas para serem utilizadas em circunstâncias específicas, massacradas pela repetição de actos. Não quero cair na rotina. Não quero apenas ser. Quero viver. Quero respirar e sentir que estou viva, e em mim. Quero a liberdade, mas não a solidão. Essa só a desejo quando lhe sinto o cheiro, quando a ambiciono.
Retomar as palavras e ter alguém, ou muitos alguém que me compreendam e vivam este sentimento comigo.
Enfim…partilhar vidas…não fugir do inevitável. Não fugir de quem somos…
Importa a sensualidade. Uma fina beleza escondida no rosto de uma mulher, não desconhecida, mas que não se conhece. Transportar o glamour, a classe, todo um charme num doce pestanejar, num mexer de pernas, num andar, num rodar de braços, num mexer de lábios, num profanar de palavras que ganham corpo e vida própria. Nos seios firmes e redondos. Na pele macia, nos longos esbeltos dedos, numa curva simples e louca como a anca dela. Numa cintura tremendo de desejo por umas mãos que encaixem.
Escolher a majestosa vida, escolher a majestosa morte. Tê-la nas mãos e decidi-la, não a deixando escolher qual e como. O poder de ser, passa agora ao poder de ter, sentir.
Beber um copo de vinho, tê-lo a escorrer pelos lábios, pelo peito, e cheirar a aproximação do desejar.
Penso que não é tão complicado assim.




(Imagem de Nanã Sousa Dias)

publicado por Rute às 20:05
link do post | Your Thoughts | favorito
38 comentários:
De Amadorjp a 9 de Fevereiro de 2005 às 22:45
Adorei o teu texto! Sente-se a sensualidade em cada palavra, o desejo em cada gesto e a vontade de amar e sentir a cada imagem...


De Joo a 20 de Janeiro de 2005 às 11:25
:) Arrepio de novo :) Nem imaginas o que me transmites com estes textos, E tenho a quase certeza que gostamos de coisas identicas;) ès um sopro de realidades not fakes:)
(perdão por ler-te do fim para o inicio) :)
Beijo
João


De Amazona a 18 de Janeiro de 2005 às 17:34
Que bom é viver. Que bom é cair e termos força para nos levantarmos. Obrigada pelas visitas que me fazes. :D Ps: como é bom entornar vinho...está o caldo entornado


De garanho a 18 de Janeiro de 2005 às 14:37
Que sentido tirar do texto?! Querer viver é algo que já de si é muito bom, quantos de nós não passam o tempo a evitar a vida como se ela pudesse ser evitada... rechea-la de eventos, bons e maus, é tudo o que devemos pela dádiva que recebemos... tratar a vida, bem ou mal, mas trata-la... beijos


De garanho a 18 de Janeiro de 2005 às 14:37
Que sentido tirar do texto?! Querer viver é algo que já de si é muito bom, quantos de nós não passam o tempo a evitar a vida como se ela pudesse ser evitada... rechea-la de eventos, bons e maus, é tudo o que devemos pela dádiva que recebemos... tratar a vida, bem ou mal, mas trata-la... beijos


De garanho a 18 de Janeiro de 2005 às 14:37
Que sentido tirar do texto?! Querer viver é algo que já de si é muito bom, quantos de nós não passam o tempo a evitar a vida como se ela pudesse ser evitada... rechea-la de eventos, bons e maus, é tudo o que devemos pela dádiva que recebemos... tratar a vida, bem ou mal, mas trata-la... beijos


De garanho a 18 de Janeiro de 2005 às 14:37
Que sentido tirar do texto?! Querer viver é algo que já de si é muito bom, quantos de nós não passam o tempo a evitar a vida como se ela pudesse ser evitada... rechea-la de eventos, bons e maus, é tudo o que devemos pela dádiva que recebemos... tratar a vida, bem ou mal, mas trata-la... beijos


De amandio a 18 de Janeiro de 2005 às 00:11
k dizer tá no minimo um autentico espectaculo de realidades perto dos verdadeiros sentidos do k somos. é verdade eu voltei cá mas já te adicionei ao meu messenger mas tu nunca apareçes,gostaria mesmo de falar ctg e já agora passa pelo meu blogs ñ só para comentar os poemas novos k tão lá mas tb para me responderes se kiseres. um abraço


De amandio a 18 de Janeiro de 2005 às 00:10
k dizer tá no minimo um autentico espectaculo de realidades perto dos verdadeiros sentidos do k somos. é verdade eu voltei cá mas já te adicionei ao meu messenger mas tu nunca apareçes,gostaria mesmo de falar ctg e já agora passa pelo meu blogs ñ só para comentar os poemas novos k tão lá mas tb para me responderes se kiseres. um abraço


De Insolente a 17 de Janeiro de 2005 às 15:52
tou c alguma pressa mas voltarei c mais atenção para dar... a imagem é excelente...

ora então um grande bem haja


Comentar post

.Me, Myself & I


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.Pesquisar neste blog

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Thoughts

. Fim da linha

. Fantoches

. Tempo

. Cartas

. Despida

. Espelhos

. Encantamento

. A caminho

. Monstros

. Nós

. Durante a madrugada

. Ao outro dia

. Rever

. Acordar de Novo

. Madeira e Carmim

. Perturbações

. Memórias Recentes

. Sede

. Recordações num pedaço de...

. De novo, cansa

. Sentimentos, confusão e l...

. Frenesim

. Espasmos

. Momentos de Amarras

. Brisa

. Palavras

. Nasci de novo

. Uma vasta e densa forma d...

. Strings

. Uma e Só

. Esgrima

. The taste of "Something i...

. Purpúra

. Corpo

. Sarilhos

. Quando...

. Quando se começa a perder...

. Quando se começa a perder

. Extase

. Aflição

. Estagnação

.Thought Moments

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

SAPO Blogs

.subscrever feeds