Quarta-feira, 25 de Maio de 2005

Acordar de Novo

emptyness.jpg


Pego nas farripas que restam das poucas memórias que construí.
Olho-me. Penso. E soluço em silêncio.
Tenho medo que me ouçam e perguntem o porquê de tanta lágrima derramada no meu colo. Não quero dizer…nem sei se sei porquê.
Não talhamos a vida como queremos…construímos um passado pouco belo, um presente inseguro e um futuro sem esperanças. Contrariados, mas fazemo-lo.
Limpo as lágrimas da cara com a mão…são tantas que escorrem, e fazem trilho pela palma da mão, pelo braço fora…até que caem violentamente no chão.
Sinto fitas de seda a crescerem a partir dos dedos até ao infinito….extremidades que nunca se tocam, mas dançam sempre ao sabor da minha pouca felicidade. Queria espreitar lá para trás e sentir que valeu a pena…só isso.
Os minutos passam…os dias passam…passam também os anos…e nada. A voz tem medo de ficar insegura e mergulhar finalmente no abismo, porque aí sim, seria o fim. E parece que o tenho anunciado quando penso nisso. Como só me apercebi agora?!! Até as pupilas cresceram com tamanha alucinação…há quanto tempo já mergulhei…simplesmente ainda não embati no fundo. O último sentir com a pancada final.
Sangro dos pulsos até saborear o suficiente e ficar como sempre: insatisfeita. Que pulsar desmedido…até parece que existes.
Sonhei…de novo…já não sei há quanto tempo tenho pesadelos constantes…durmo sem dormir para poder descansar do medo, com medo. E que ousadia a tua de me pores assim a voar! Era um pára-quedas pequenino, atado a cintura, e nós tínhamos de ir de braços abertos, como se fossemos mesmo nós que íamos a voar…até sentia o vento na cara…e juro que lhe sinto o cheiro já mesmo acordada. Voei, passeei, espreitei as curiosidades que me disseste, mas não consegui aterrar junto de ti. E tremi de medo. Perdi-me no meio do oceano que afinal não era um rio. Queria parar, para ao menos me poder afogar, e não conseguia…continuava numa calma ridícula com se de um passeio se tratasse. Esperneava, berrava, chorava e nada…até que desisti e me rendi…depois acordei.
Levantei-me…arrastei os pés, enfiados nuns chinelos demasiado grandes, que me fazem tropeçar a todo o momento. Lavei-me. Vesti-me. Olhei-me no espelho e fingi que estava tudo bem.







(Imagem de www.psychoartcom.ar)

publicado por Rute às 22:52
link do post | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.Me, Myself & I


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.Pesquisar neste blog

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Thoughts

. Fim da linha

. Fantoches

. Tempo

. Cartas

. Despida

. Espelhos

. Encantamento

. A caminho

. Monstros

. Nós

. Durante a madrugada

. Ao outro dia

. Rever

. Acordar de Novo

. Madeira e Carmim

. Perturbações

. Memórias Recentes

. Sede

. Recordações num pedaço de...

. De novo, cansa

. Sentimentos, confusão e l...

. Frenesim

. Espasmos

. Momentos de Amarras

. Brisa

. Palavras

. Nasci de novo

. Uma vasta e densa forma d...

. Strings

. Uma e Só

. Esgrima

. The taste of "Something i...

. Purpúra

. Corpo

. Sarilhos

. Quando...

. Quando se começa a perder...

. Quando se começa a perder

. Extase

. Aflição

. Estagnação

.Thought Moments

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

SAPO Blogs

.subscrever feeds