Sábado, 19 de Novembro de 2005

Despida

AndreBrito6.JPG 


Depois de sorrir ao espelho para mim própria, inocentemente mergulho neste piano. Está a cantar-me a alma. Não estou triste mas deixo cair uma lágrima, maravilhada com a melancolia da vida e por ter os músculos finalmente descontraídos.
É tão bom…o mundo não parou mas já não há barulho. Somente existo eu, e este piano…arrepio-me tanto que quase tremo.


Solto o cabelo que me cai pelas costas e tiro a maior parte da roupa.


Calmamente, danço ao som deste gemido, tão frágil. Balanço os braços e movo o corpo pelo quarto, tal louca feliz por nada ter sentido. Embalo o ar, e deixo-me ser, sem ter de pensar.
Sorrio e estou a chorar. Sorrio por chorar…porque sinto mágoa e estou alegre. Choro por sorrir enquanto me afundo em notas desenhadas no ar, de formas sublimes e frias.


Choro por tudo. Choro porque já chorei, porque já ri, porque dancei, porque por vezes permaneço imóvel durante horas, porque sou de gelo ou ardo, porque sou frágil e forte. Choro porque sinto saudade, porque cresci…porque a confusão reina…choro por mim, sem pena. Um sentimento estranho de existência. “Estou aqui”, penso. E não entendo nada, mas não faz mal.
Sorrio por tudo o que chorei, por tudo o que ri. Por tudo o que senti…paixão, ódio, dor, alegria…tão comum…sorrio por ter conseguido não sentir absolutamente nada em certos momentos de vácuo. Sorrio porque me apetece.


Sinto-me calma, livre, plena, do tamanho do mundo. Podia correr para sempre se esta melodia fosse cantada lá fora pelo vento, e tudo o que era bonito podia também ser feio, ou bonito…ou o que é feio podia ser belo, ou mesmo feio…não importa. Não importa mesmo. E não faz mal.
Porque eu estou a sorrir e a chorar…e estou a delirar com a sensação.
O coração não pára de saltitar, como se também ele sorrisse e chorasse…


Encantada. Vou correr e dançar neste quarto que é o meu mundo, até não poder mais, e ter de parar. E depois, vou aqui continuar a dançar e a sorrir enquanto choro, porque estou feliz de nada fazer sentido e eu não me importar.


 


 



(Imagem de André Brito)


publicado por Rute às 01:26
link do post | Your Thoughts | ver comentários (45) | favorito
Quarta-feira, 2 de Novembro de 2005

Espelhos

PedroPalma.JPG





Abraço a solidão com quanta força tenho, pois é a minha única companhia. Tenra, somente ela não me foge nunca. Não me engana com histórias loucas de amizades fingidas e forças impingidas. Não me afia os nervos para passados momentos, inventar acasos e parecer que está tudo bem. Senta-se aqui ao meu lado, enquanto do outro me espera um mar de gente endiabrada e com quantidades consideráveis de álcool no sangue.

Se ao menos eu soubesse se me apetece ir, e estar sozinha rodeada de gente, ou sozinha sem ninguém…

Falta-me força nos braços para os erguer e maquilhar os olhos, os lábios com a precisão milimétrica com que o adoro fazer…também nem sei se me apetece sentir-me bonita…
Talvez no final da noite, quando já não valer a pena nada disso porque também a noite acaba, me arrependa de não ter ido…

Ainda tenho os músculos contraídos, a pele quente, o cérebro a latejar…a espinha está em crista, a língua pontiaguda pronta a disparar qualquer veneno a quem me cuspa as palavras erradas…
Bem tento soprar ar quente para as mãos em conchinha…mas estou de gelo…por todo o lado estou de gelo…ai se eu pudesse cantar a mágoa que sinto…se eu pudesse chorar…
Se eu pudesse chorar…se eu pudesse contar tudo numa história bonita, contava. Mas só a solidão me conhece os sussurros e me sabe as lágrimas aquando caem, escondidas em imagens e grafismos sentimentais. E ela não fala.
Bebi sonolência em qualquer copo cheio de água poluída…estou intoxicada em segredos e palavras escondidas nas entrelinhas. Quem as souber, há-de lê-las…é assim que funciona este processamento maquinal embebido em sensações transpiradas, vindas de água poluída.
Balanço-me muito rápido na cadeira que ficará desengonçada…dantes era de madeira e gemia, agora é moderna e chia.
Já tenho o sabor rotineiro de dias difíceis na boca, e os cantos dos lábios ensanguentados. Magoa a pele que fica fria demais e não me deixa mover, vou ter de me ir aquecer.
Enquanto me levanto, sinto que dentro de mim, rasteja um animal adoentado, que se esconde num canteiro mal arranjando para morrer…mas cá fora, caminha altiva uma felina, de passos seguros, certeiros, como se soubesse o caminho e o destino, não o acreditando, apenas desafiando tudo a cada movimento. Olhar tão característico de fulminante que é.

Tanto embaraça como cativa.
Tanto apaixona como cria, sem se aperceber, ódios e ciúmes a que não dá importância.

Vai desenhando letras magníficas com a imaginação ao som de obras que são espelhos: “I am the girl anachronism….”.
E repito isto incessantemente.

Já sentada em frente à lareira, olho a madeira a chorar enquanto arde…estou perto demais porque sinto a pele de novo, mas desta vez, parece que borbulha de tão quente…
Tenho vontade de ficar a noite toda neste aconchego tão familiar…eu, o estalar da lareira, e o relógio que ritmicamente não me deixa esquecer que o tempo continua a passar.






(Imagem de Pedro Palma)


publicado por Rute às 01:01
link do post | Your Thoughts | ver comentários (19) | favorito

.Me, Myself & I


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.Pesquisar neste blog

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Thoughts

. Fim da linha

. Fantoches

. Tempo

. Cartas

. Despida

. Espelhos

. Encantamento

. A caminho

. Monstros

. Nós

. Durante a madrugada

. Ao outro dia

. Rever

. Acordar de Novo

. Madeira e Carmim

. Perturbações

. Memórias Recentes

. Sede

. Recordações num pedaço de...

. De novo, cansa

. Sentimentos, confusão e l...

. Frenesim

. Espasmos

. Momentos de Amarras

. Brisa

. Palavras

. Nasci de novo

. Uma vasta e densa forma d...

. Strings

. Uma e Só

. Esgrima

. The taste of "Something i...

. Purpúra

. Corpo

. Sarilhos

. Quando...

. Quando se começa a perder...

. Quando se começa a perder

. Extase

. Aflição

. Estagnação

.Thought Moments

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

SAPO Blogs

.subscrever feeds