Quarta-feira, 25 de Maio de 2005

Acordar de Novo

emptyness.jpg


Pego nas farripas que restam das poucas memórias que construí.
Olho-me. Penso. E soluço em silêncio.
Tenho medo que me ouçam e perguntem o porquê de tanta lágrima derramada no meu colo. Não quero dizer…nem sei se sei porquê.
Não talhamos a vida como queremos…construímos um passado pouco belo, um presente inseguro e um futuro sem esperanças. Contrariados, mas fazemo-lo.
Limpo as lágrimas da cara com a mão…são tantas que escorrem, e fazem trilho pela palma da mão, pelo braço fora…até que caem violentamente no chão.
Sinto fitas de seda a crescerem a partir dos dedos até ao infinito….extremidades que nunca se tocam, mas dançam sempre ao sabor da minha pouca felicidade. Queria espreitar lá para trás e sentir que valeu a pena…só isso.
Os minutos passam…os dias passam…passam também os anos…e nada. A voz tem medo de ficar insegura e mergulhar finalmente no abismo, porque aí sim, seria o fim. E parece que o tenho anunciado quando penso nisso. Como só me apercebi agora?!! Até as pupilas cresceram com tamanha alucinação…há quanto tempo já mergulhei…simplesmente ainda não embati no fundo. O último sentir com a pancada final.
Sangro dos pulsos até saborear o suficiente e ficar como sempre: insatisfeita. Que pulsar desmedido…até parece que existes.
Sonhei…de novo…já não sei há quanto tempo tenho pesadelos constantes…durmo sem dormir para poder descansar do medo, com medo. E que ousadia a tua de me pores assim a voar! Era um pára-quedas pequenino, atado a cintura, e nós tínhamos de ir de braços abertos, como se fossemos mesmo nós que íamos a voar…até sentia o vento na cara…e juro que lhe sinto o cheiro já mesmo acordada. Voei, passeei, espreitei as curiosidades que me disseste, mas não consegui aterrar junto de ti. E tremi de medo. Perdi-me no meio do oceano que afinal não era um rio. Queria parar, para ao menos me poder afogar, e não conseguia…continuava numa calma ridícula com se de um passeio se tratasse. Esperneava, berrava, chorava e nada…até que desisti e me rendi…depois acordei.
Levantei-me…arrastei os pés, enfiados nuns chinelos demasiado grandes, que me fazem tropeçar a todo o momento. Lavei-me. Vesti-me. Olhei-me no espelho e fingi que estava tudo bem.







(Imagem de www.psychoartcom.ar)

publicado por Rute às 22:52
link do post | Your Thoughts | ver comentários (37) | favorito
Sábado, 21 de Maio de 2005

Madeira e Carmim

NBelo.JPG


 


            A rotina de ser todos os dias é exaustiva. Já quase me caem gotas de suor pela testa abaixo e estou sem me mover há horas…provavelmente uma vontade inconsciente de testar a minha capacidade de silêncio ou apenas parvoíce.


                  Não…não estou a falar de tristeza, nem muito menos estou triste. Será que deriva daí o espanto? A sinceridade obriga-me a dizer que não sei e é isso que me intriga.


                 Pouco me apetece pensar, estar, rir, chorar, ouvir, sentir…hoje simplesmente não me apetece nada. Tanto faz se estou sozinha ou acompanhada…estou calada, e se vierem ter comigo não esperem resposta à pergunta sobre o que estou a pensar. Porque não estou.


           Hoje abandonei-me.


               Abandonei a libido, a arte, a paixão, o cansaço, a vontade, a coragem, as lágrimas e as gargalhadas.


           Sinto-me mal sem me sentir.


               Com os olhos abertos ou fechados, inerte por uma quantidade incrível de horas, há imagens que me invadem, estranhas. Esta estúpida inércia, não me permite agora tirar qualquer sentimento acerca nem através delas…talvez mais tarde…? Logo se vê…


                São mulheres de peito rasgado, com asas enormes nas costas e dedos articulados. Têm lábios de madeira pintada a carmim, os olhos ofuscantes, maçãs do rosto salientes mas pálidas. Mastigam o ar a cada passada, lenta, morna. Usam vestidos rasgados e percebo-lhes um sexo nu, húmido e sabido.


           Afastam-se e voltam…afastam-se e voltam…parece-me uma dança ou ritual.


                 Só me incomoda não pararem de olhar para mim, mas não me apoquenta. Estou tão pouco interessada nelas que as olho de soslaio e até parece que elas percebem isso…(espero continuar a ter consciência que isto é tudo imaginação minha…).               


                 Foram embora as minhas deusas de lábios de madeira e carmim.


                Lembrei-me agora dos loucos que todos os dias vagueiam à minha porta…tenho medo que se aproximem de mim…não suporto ser tocada por desconhecidos. Mas observá-los, gosto.


              Também gosto de observar as pessoas atarefadas em correrias desmedidas para apanharem o metro, ou a perderem a paciência numa fila de trânsito. Correm tanto que não vêem o que lhes corre ao lado…toneladas de vidas e histórias todas semelhantes que me encantam ao longe numa janela de quarto andar.


                Talvez seja melhor mover-me enquanto te espero. Apercebi-me agora que isto também é uma espera e confesso que fiquei enjoada.                


                 É preferível ficar quieta, quase sem respirar.


                Que venham de novo as deusas com lábios carmim. Que me ofusquem com o olhar e me rasguem o peito para também eu poder mastigar o ar a cada passada lenta, morna, com o sexo nu, húmido, sabido, e os lábios de madeira pintados de púrpura.


 

(Imagem de Nuno Belo)

publicado por Rute às 03:31
link do post | Your Thoughts | ver comentários (25) | favorito
Segunda-feira, 16 de Maio de 2005

Perturbações

0127.jpg



Há coisas que não se podem dizer.


Assim nos submetemos aos abutres, sempre famintos e atentos a qualquer deslize. Criamos desde cedo pés inseguros, fazemos caminhadas incertas, falamos com uma língua usada, quase morta, julgamos que temos asas e quase que voamos.


Não. Até quando aguentarás este sufoco?


Vais esperar tanto tempo…o tempo das rugas te caírem pelo rosto, anunciando a sabedoria necessária para se dizer o que os outros julgam como parvoíces.


Parece-me que são essas parvoíces mesmo que queres dizer…(sinto-me muda) essas loucuras que se dizem e se sentem com a alma quando se esconde a vergonha e o medo.


Sim. Porque quase sempre temos um certo pudor em dizer o que sentimos…(já não aguento mais isto).


Até já lhe trocaste o nome. A sorte esteve do teu lado, e teceu tudo de maneira a ele nem se aperceber.


Ahhh…como me apetecia rir ás gargalhadas de tudo isto. Soltar gritos estridentes e dançar até cair redonda no chão. Movimentar-me com tanto sentido quanto tem a minha vida.


Que dança frenética seria…recheada de movimentos obtusos, impertinentes, inseguros, quedas geladas e um ardor constante.


            Não interessa.


            Vou fechar aqui os olhos. Imaginar as coisas que gostaria de ter dito, a coragem que gostaria de ter tido, e a calma que sempre procurei e nunca consegui encontrar.


            O cansaço arrebate tudo cá dentro…e por agora, apetece parar.


            Só espero encontrar-te novamente pelo caminho.



 





(Imagem de José Marafona www.josemarafona.com)

publicado por Rute às 01:56
link do post | Your Thoughts | ver comentários (13) | favorito
Segunda-feira, 2 de Maio de 2005

Memórias Recentes

Mariana Castro.JPG 


     


 Afastei-me durante algum tempo. Todas as palavras me pareciam demasiado intensas e não me apetecia ter-me nem mais um segundo. Afoguei-me em sensações tão velhas e sempre estranhas…medonhas…pensava que desaparecidas, mas tomei consciência que nunca se irão embora…tenho de aprender a viver com elas. 


   Passei a noite a esticar fotograficamente a minha memória mais recente. A última memória de prazer, de adrenalina, um ferver qualquer para o qual ainda não inventaram palavras suficientes para o descrever.
Transpiraste. Deixaste gotas de suor escorrerem-te pelo corpo e desenharem linhas esbeltas. Permitiste que a minha língua as provasse, e trocaste comigo um olhar fugidio que me provocou contracções na barriga.
O meu ventre arrepiou-se ao sentir a sensualidade com que te tocaste…moveste-te embalado pelos teus próprios sons, e com um sorriso de quem já adivinhou o que se segue, agarraste-me pela cintura.
As tuas mãos sempre me endoideceram. Tinhas os dedos apoiados nas minhas costas, mas eu já os sentia por todo lado. Queria-os imediatamente dentro de mim para depois os poder lamber enquanto me olhavas…trincá-los devagarinho e levar a tua mão onde eu quisesse.
Não desviaste o olhar dos meus olhos enquanto eu dizia coisas e pensava noutras. Sabias bem o que queríamos.
Os lábios pareciam tremer de tanto desejo…se durasse mais uns minutos explodíamos.
Foste depois embora passado um bocadinho, levado pela mão por obrigações.
A expressão com que partiste ficou-me gravada na memória…um olhar rejeitando uma despedida anunciada, triste. Quase me imploraste que eu fosse também, e eu quase fui.
O teu olhar durante a rápida despedida, disse-me tudo o que queria saber, e eu adormeci calma, serena, com uma gota salgada de felicidade escondida no rosto.




(Imagem de Mariana Castro)


publicado por Rute às 17:55
link do post | Your Thoughts | ver comentários (16) | favorito

.Me, Myself & I


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.Pesquisar neste blog

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Thoughts

. Fim da linha

. Fantoches

. Tempo

. Cartas

. Despida

. Espelhos

. Encantamento

. A caminho

. Monstros

. Nós

. Durante a madrugada

. Ao outro dia

. Rever

. Acordar de Novo

. Madeira e Carmim

. Perturbações

. Memórias Recentes

. Sede

. Recordações num pedaço de...

. De novo, cansa

. Sentimentos, confusão e l...

. Frenesim

. Espasmos

. Momentos de Amarras

. Brisa

. Palavras

. Nasci de novo

. Uma vasta e densa forma d...

. Strings

. Uma e Só

. Esgrima

. The taste of "Something i...

. Purpúra

. Corpo

. Sarilhos

. Quando...

. Quando se começa a perder...

. Quando se começa a perder

. Extase

. Aflição

. Estagnação

.Thought Moments

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

SAPO Blogs

.subscrever feeds