Terça-feira, 30 de Novembro de 2004

Corpo

33333.JPG


Corpo, corpo, corpo.
Alma, alma, alma.
Cresço, corro, sofro.
Paro, penso e morro.
Coração bate em palpitações rítmicas
Que não conheço,
Num som que não conheço:
Tum tum, Tum tum.
Toca, cheira, sente.
É estranho,
Assustador e claro.
Fingindo a calma, os olhos irradiam escuridão,
As mãos tremem e suam.
Sensualidade perdida
Que floresce num mundo desconhecido,
Alagado, sombrio e distante
Tal como eu…sozinha…
Galáxia? Universo? Deus?
Terra, mundo, chão, água…
Bactérias, barulho, poluição.
Escarros perdidos na calçada,
Verdes e amarelados, podres como quem os vomitou.
Sente, sente!
Olha…o corpo…corpo…corpo…
Alma, alma, alma.
O medo ganha cor
Sentimento estúpido de culpa…
Solidão…
Objectos que se mantêm quietos e serenos.
Um cigarro apagado, imundo, sujo.
Cinzas…
Álcool e droga.
Violência, violência, violência.
Mundo corrompido e podre.
Dor, dor, dor…
Regras, regras, regras.
Mente aberta, liberal, pura, limpa.
Ilusão? Utopia? Saudade? Exibicionismo?
Simplesmente uma curta e vasta confusão.
Os sentidos apurados e gastos,
Usados, reciclados não.
Deitados numa lixeira onde nada cheira,
Onde não existe liberdade, respeito, amor.
Dinheiro, dinheiro, dinheiro.
Carros, ferias, casas, construções de vida.
Ambição, ambição, ambição.
Arte? Fama? Coragem? Cobardia?
Expressão! Vontade de mudar,
Corromper o mal, instalar o bem.
Amor, amor, amor.
Conhecem a palavra, não o significado.
Canetas ansiosas e violentas,
Sedentas de escrita.
Pincéis que dançam ao som das cores,
Guitarras que se movem, disformes,
Bailarinas imóveis,
Dedos frenéticos.
Sexo? Talvez…não sentindo…deambulando…
Os corpos movem-se sozinhos,
Luzes apagadas.
Só mais uma vez, sussurrando, pensando a última…
Quem somos? Que queremos? Que fazemos?
Chamam-me…não respondo…não me apetece…
Velhice..algo tão temido…
Tempo,
Passamos por ti com criticas mordazes e atrozes…
Natureza, minha mãe que pariste e partiste…
Tribalismo…rótulos…medo…cansaço…
Críticas, dor, paz…
Hipocrisia, sorrisos velhos e falsos…
Ouro, ouro, ouro.
Faz falta a poesia, a música a pintura.
Arte…como te quero, desejo, anseio…
As forças esvaíram-se e formaram um lago
Vermelho, sangrento, vivido, sofrido,
De desejo? De mágoa?
Grito em tons de mudez.
A luz trépida alcança a parede.
Ora se acende, ora se apaga,
Criando ilusões.
Um pato deitado.
Um dragão tapado.
Um rosto escondido.
Lençóis remexidos,
Almofadas vincadas.
Som de folhas de papel amarrotadas.
Caem no chão! Que barulho!
Custa olhar, não há luz…saudade…
Um cigarro por enrolar,
Ansioso por uns lábios.
Em formas lânguidas e sensuais,
Criando umas mãos articuladas e compridas,
Um gesto teatral e imperioso,
Um pequeno orifício nos lábios,
Um amortecer de fumo entrando dentro de mim.
Que prazer!
Inspiro…expiro…
Um novo gesto, desta vez, de misericórdia, e solto-o,
Liberto o fumo que prendia em meu peito
E deixo-o voar.
Espalha-se no ar…
Intoxica e infecta…poderoso e largo…
Esfuma-se nele próprio, nada, viaja,
Ondula-se, gesticula, frio e cruel.
E a mão ergue-se de novo num ritual vampírico e fantasmagórico.



(A imagem que coloquei, um abismo de beleza, pertence a um verdadeiro artista, chamado José Marafona. www.josemarafona.com).


publicado por Rute às 16:19
link do post | Your Thoughts | ver comentários (19) | favorito

Sarilhos

Merda para as pessoas obsessivas.
Não tenho nada a ver com isso, não me importa, nem quero ouvir.
Sim...deixei-me envolver um pouco...a droga não ajudou...nem ajuda. Não descola.

E agora?

Agora deixa-me em paz...é tudo teu...eu não quero..

Então porque foi tudo aquilo?

Já te disse...momentos...brincadeiras...nao te preocupes com isso...

Pois...também disseste isso ao princípio!!!

Só acreditas se quiseres...e se te armas em mimada, até te digo mais...não foi porque eu não quis...a culpa não é delas...não julgues que é santidade...ohhh..vá lá...não chores....ainda vais vomitar de novo...eu gosto de ti mulherzinha criança...tens de deixar viver...agora larga-me e deixa-me sair desta história confusão que odeio este tipo de sarilhos...

publicado por Rute às 12:15
link do post | Your Thoughts | ver comentários (1) | favorito

Quando...

Um contorno delineado de costas, mamilos rijos de juventude e o sexo perfeito em toda a sua naturalidade. Quem te desenhou??? O segredo dos deuses ficará guardado até que alguém te descubra.
Deitas-te na terra. No fundo do oceano. Cantas. Fechas os olhos e contorces-te. À velocidade da luz, ergues-te. Voas em direcção ao céu. O teu corpo gira à volta de ti própria. Descarregas no mar uma força incrível de luz, deixando tudo ofuscado de ti.
Não apareces nunca mais.
Deitada na cama, pensando sobre que mais, uma lembrança de um cheiro a momento.
Um olhar intenso. Um piano que geme tons de apatia. Vozes. Só isso me resta.

publicado por Rute às 11:59
link do post | Your Thoughts | favorito
Sábado, 20 de Novembro de 2004

Quando se começa a perder....

Um Santuário.
Quanto se quer. Quanto se deseja. Porn, strip, pin, punk, goth, metal, hip and hoping at least a nice end…
Sobrevalorização de mim? Mania de superioridade???? E que tal um doce bailado?
Cair novamente na água…bolhinhas de oxigénio a rodearem o seu corpo, e sentir que afinal, há algo que gira à sua volta. Os braços, o cabelo, têm um cair mais lento. Os lábios movem-se e parecem querer sorrir.
Um corpo nu.
A beleza.

publicado por Rute às 17:06
link do post | Your Thoughts | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 19 de Novembro de 2004

Quando se começa a perder

Nas fraquezas de um mórbido oceano corro lentamente ao som da chuva… a água é o belo que me rodeia e nada mais desejo senão o conservar de um momento que em breve será atraiçoado pela memória. As confissões de mim a mim própria largam-se, bailando. São vastas e leves. As algas, que são o seu cabelo, límpidas e longas, não se embaraçam. Pedem um ecstasy redundante, em forma de bola e sem cores. O bater rítmico ecoa e provoca.
Emprestou a alma. Agora pede. Já não existe nada sem ser a sua pele, frágil, suave, tenra. Aromas de inocência. A morte certa na penumbra…assim ela a espera. Ou corre para ela…um rochedo, um mundo mágico, pérolas, cristais, entoação, vazio.
Cair como uma cápsula. Cair numa cápsula. Um gesto tão fino como o engolir. Sucção. Sucção. Sucção. O filtro funcionou lentamente, esmagando-a.
Nada mais que movimentos…e lembrando os primórdios das suas existências, obtendo películas do que foi, sorri. Uma sofreguidão louca por quando não se sabe o desejo de fome. O sentido perdeu-se numa floresta. O ódio permanece disfarçado de jasmim.
Quando se começa a perder? Os vermes rodear-me-ão. Serei comida pelo fogo, pelas chamas, pelas labaredas frias daquilo que não fui. Querer ser. Tanto. O deixar algo para trás, ou apenas paralelo. Dar asas à imaginação e fugir: criar um mundo em mim. Já o fiz. A incompreensão é uma constante. O a, e, i, o, u apenas agora começou. A rebelião devastada por um só movimento. E voltar ao principio, ao maldito ciclo: MOVIMENTOS!!!!!!! Um Santuário.


publicado por Rute às 18:28
link do post | Your Thoughts | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 13 de Novembro de 2004

Extase

Sinto-me a emergir para além de tudo. Estou bem...delicias os meus olhos, a minha imaginação, satisfazes o meu corpo.
Sinto calafrios no ventre. Apetece-me ter-te agora. E mais logo também.
Preciso de usar a imaginação...senão, asfixio.

publicado por Rute às 03:38
link do post | Your Thoughts | favorito
Sexta-feira, 12 de Novembro de 2004

Aflição

A aflição do momento.
De ver tudo rodopiar à minha volta e sentir-me cair (finalmente) no abismo. Sentir o medo apoderar-se de mim e gritar por alguém, que nunca estive certa quem era.
Espero pela tua resposta...ou por uma resposta. Depositaste tantos sonhos em mim naquela noite..só quero um pouco de atenção tua...e afundar-me...
Derramar as vísceras...saltar para o sonho...correr para o meu mundo e inundar-me dele para sempre...
Queres vir?

publicado por Rute às 23:51
link do post | Your Thoughts | favorito

Estagnação

HEY.JPG

Quando se depara com uma aparição do nosso imaginário, fica-se estupefacto...estagnado.
É imenso...intenso...e cola.
A estagnação atracou em mim perante...curvas.

publicado por Rute às 22:35
link do post | Your Thoughts | ver comentários (1) | favorito

.Me, Myself & I


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.Pesquisar neste blog

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Thoughts

. Fim da linha

. Fantoches

. Tempo

. Cartas

. Despida

. Espelhos

. Encantamento

. A caminho

. Monstros

. Nós

. Durante a madrugada

. Ao outro dia

. Rever

. Acordar de Novo

. Madeira e Carmim

. Perturbações

. Memórias Recentes

. Sede

. Recordações num pedaço de...

. De novo, cansa

. Sentimentos, confusão e l...

. Frenesim

. Espasmos

. Momentos de Amarras

. Brisa

. Palavras

. Nasci de novo

. Uma vasta e densa forma d...

. Strings

. Uma e Só

. Esgrima

. The taste of "Something i...

. Purpúra

. Corpo

. Sarilhos

. Quando...

. Quando se começa a perder...

. Quando se começa a perder

. Extase

. Aflição

. Estagnação

.Thought Moments

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

SAPO Blogs

.subscrever feeds