Quinta-feira, 18 de Agosto de 2005

Monstros

MicahelGoesele.jpg


            Debato-me com paredes ensanguentadas de nada e pontapeio o ar.


            Esgotada. E é esgotada que me apercebo da falta de importância de tudo o que construí até hoje. Sinto a pele a ferver com vazio…quase que se formam bolhas à passagem de cada pensamento que me escorre pelos olhos. Odeio tudo neste momento.


            Choro o miserável que me rodeia.


            Não quero falar, nem harmonias, nem carinho, nem paz, nem desassossego…não quero nada.


            Desenhei letras e recortei-as a picadas milimétricas. Para quê? Tudo me é desconfortável agora. Talvez mais tarde goste, mas a perfeição com que o fiz está a morder-me os dedos.


            O ar está irrespirável. Que irritação louca comigo própria. Que irritação louca por não encontrar o meu pequeno objecto de horas molhadas de vida anémica.


            Não trespasso paredes nem pele…nem obstáculos nem nada. Estou aqui. Somente estou aqui. Esgotada com a minha irritação. Provavelmente a enlouquecer aos poucos. Apetece-me companhia para poder explodir nalguma coisa com vida, e assim ter uns braços de conforto ao mesmo tempo…umas palavras pouco usadas a transmitirem-me que está tudo bem e estou errada, se me acalmar vejo as coisas de outra maneira.


            Queria ter saído de casa. Queria não ter colado imagens já destruídas na parede. Mas não é isso que me está a consumir a juízo. Não é isso, porque eu sei que não é. Então o que é? Também não sei. Talvez o apanhado ou a forma desconfortável como não me preparei. Ou então…talvez já esteja um pouco louca há algum tempo e ainda não tinha reparado.


            Que irritação desmedida…estou a arder a compasso com o tempo.


            Amanhã já não é assim…este sentimento também vai arder com o tempo…mas até lá, vão restar muitas cinzas e algumas queimaduras. Na impossibilidade de ser mais, sou menos e dou cortes finos de raiva fulminante mal dirigida…sou alteração de um monstro pontiagudo que mata inocentes.


 


            Vou apenas aguardar que a lógica e a calma me assaltem dentro de pouco…afinal ainda reside alguma esperança no monstro.


 


 



            (Caem lágrimas de desespero…até ele precisa de alguém…)


 


 


 


(Imagem de Micahel Goesele)


 


publicado por Rute às 00:06
link do post | Your Thoughts | favorito
12 comentários:
De orfeu a 29 de Agosto de 2005 às 22:50
Que monstro assola a alma deste texto, que invade o sentido e faz ajoelhar palavras...Que haja luta, sangue bebido por quem sabe que a Noite é dela, onde a vida escorre-lhe nas veias, bebidas por sede de vermelho vivo de esperança num amor.


De tubaro a 24 de Agosto de 2005 às 11:18
O rôxo é a cor da morte. Decerto sabes isso. Mas é de uma elegância extrema. Tudo aqui é bonito e subtil, triste e digno, sensual e inocente. Estou rendido...UFA!


De Carla a 22 de Agosto de 2005 às 08:41
Vampíria, o monstro que recrias parece-me muito humano. É humano viverem-se fases de desespero, em que somos acometidos pelos pensamentos mais loucos e que fazem quase com que nos odiemos a nós mesmos. Mas de louca não tens nada. Se todos fossemos assim tão lúcidos a enfrentarmos os nossos monstros, depois de feita a libertação seríamos pessoas melhores... porque saberíamos olhar para dentro de nós sem medos. Muita força para ti, és uma resistente e as tuas palavras demonstram-no. Um beijo enorme.


De pepe a 21 de Agosto de 2005 às 19:07
Fiquei sem palavras após ler o teu texto. Absolutamente maravilhoso.Espero que toda essa magua e desespero que transportas, um dia possa desaparecer. Caminha contra a maré.
Quero também agradecer-te a visita ao meu blogue. Beijos. Acompanhar-te-ei atraves do teu blogue


De Tiago & Rita a 21 de Agosto de 2005 às 17:48
Olá!!
Venho agradecer a tua visita no nosso blog e as tuas palavras lá deixadas.
Volta sempre
Um beijinho e uma optima semana


De Susana a 20 de Agosto de 2005 às 20:21
Não existem monstros, existem apenas imagens enubladas de nós mesmos, quando conseguires olhar para ti e encontrar reflectida a tua beleza, a tua essência, vais deixar de te atormentar assim e vais abraçar em pleno a tua vida, força.. Beijinho, grande..


De Miss Lust a 20 de Agosto de 2005 às 15:07
Que forma incrivel de expor. Talvez somente te antecipes a querer respostas, todos, sim até o monstro temos esse direito, todos temos algo de muito belo, basta descobrir-mos. Um beijo enorme, á pouco deixei-te um "recadinho" junto ao teu comentario, obrigado por teres passado por lá


De andre a 19 de Agosto de 2005 às 12:35
oi tud ?
bem fixe o blog a imagem e o texto tambem comtinua ;-)bjs


De spwanR a 19 de Agosto de 2005 às 00:12
Segundo a segundo se faz o minuto; minuto a minuto se faz a hora; e o dia, e o ano, e a vida; com tantas coisas, umas que nos parecem grandes, outras tão pequenas coisas, que as achamos insignificantes; até, sossegadamente, nos darmos conta da sua importância...da falta que, todas, elas nos fazem...(que digo eu?...que sei eu?...)


De Dora a 18 de Agosto de 2005 às 20:34
Vampiria, isto é um texto de alma incendiada. Tão intenso que nos faz sentir desconfortáveis nas nossas mesquinhas misérias. Escreves com toda a tua alma nas mãos. Por isso gosto tanto de ler-te.


Comentar post

.Me, Myself & I


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.Pesquisar neste blog

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Thoughts

. Fim da linha

. Fantoches

. Tempo

. Cartas

. Despida

. Espelhos

. Encantamento

. A caminho

. Monstros

. Nós

. Durante a madrugada

. Ao outro dia

. Rever

. Acordar de Novo

. Madeira e Carmim

. Perturbações

. Memórias Recentes

. Sede

. Recordações num pedaço de...

. De novo, cansa

. Sentimentos, confusão e l...

. Frenesim

. Espasmos

. Momentos de Amarras

. Brisa

. Palavras

. Nasci de novo

. Uma vasta e densa forma d...

. Strings

. Uma e Só

. Esgrima

. The taste of "Something i...

. Purpúra

. Corpo

. Sarilhos

. Quando...

. Quando se começa a perder...

. Quando se começa a perder

. Extase

. Aflição

. Estagnação

.Thought Moments

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

SAPO Blogs

.subscrever feeds