Terça-feira, 30 de Novembro de 2004

Corpo

33333.JPG


Corpo, corpo, corpo.
Alma, alma, alma.
Cresço, corro, sofro.
Paro, penso e morro.
Coração bate em palpitações rítmicas
Que não conheço,
Num som que não conheço:
Tum tum, Tum tum.
Toca, cheira, sente.
É estranho,
Assustador e claro.
Fingindo a calma, os olhos irradiam escuridão,
As mãos tremem e suam.
Sensualidade perdida
Que floresce num mundo desconhecido,
Alagado, sombrio e distante
Tal como eu…sozinha…
Galáxia? Universo? Deus?
Terra, mundo, chão, água…
Bactérias, barulho, poluição.
Escarros perdidos na calçada,
Verdes e amarelados, podres como quem os vomitou.
Sente, sente!
Olha…o corpo…corpo…corpo…
Alma, alma, alma.
O medo ganha cor
Sentimento estúpido de culpa…
Solidão…
Objectos que se mantêm quietos e serenos.
Um cigarro apagado, imundo, sujo.
Cinzas…
Álcool e droga.
Violência, violência, violência.
Mundo corrompido e podre.
Dor, dor, dor…
Regras, regras, regras.
Mente aberta, liberal, pura, limpa.
Ilusão? Utopia? Saudade? Exibicionismo?
Simplesmente uma curta e vasta confusão.
Os sentidos apurados e gastos,
Usados, reciclados não.
Deitados numa lixeira onde nada cheira,
Onde não existe liberdade, respeito, amor.
Dinheiro, dinheiro, dinheiro.
Carros, ferias, casas, construções de vida.
Ambição, ambição, ambição.
Arte? Fama? Coragem? Cobardia?
Expressão! Vontade de mudar,
Corromper o mal, instalar o bem.
Amor, amor, amor.
Conhecem a palavra, não o significado.
Canetas ansiosas e violentas,
Sedentas de escrita.
Pincéis que dançam ao som das cores,
Guitarras que se movem, disformes,
Bailarinas imóveis,
Dedos frenéticos.
Sexo? Talvez…não sentindo…deambulando…
Os corpos movem-se sozinhos,
Luzes apagadas.
Só mais uma vez, sussurrando, pensando a última…
Quem somos? Que queremos? Que fazemos?
Chamam-me…não respondo…não me apetece…
Velhice..algo tão temido…
Tempo,
Passamos por ti com criticas mordazes e atrozes…
Natureza, minha mãe que pariste e partiste…
Tribalismo…rótulos…medo…cansaço…
Críticas, dor, paz…
Hipocrisia, sorrisos velhos e falsos…
Ouro, ouro, ouro.
Faz falta a poesia, a música a pintura.
Arte…como te quero, desejo, anseio…
As forças esvaíram-se e formaram um lago
Vermelho, sangrento, vivido, sofrido,
De desejo? De mágoa?
Grito em tons de mudez.
A luz trépida alcança a parede.
Ora se acende, ora se apaga,
Criando ilusões.
Um pato deitado.
Um dragão tapado.
Um rosto escondido.
Lençóis remexidos,
Almofadas vincadas.
Som de folhas de papel amarrotadas.
Caem no chão! Que barulho!
Custa olhar, não há luz…saudade…
Um cigarro por enrolar,
Ansioso por uns lábios.
Em formas lânguidas e sensuais,
Criando umas mãos articuladas e compridas,
Um gesto teatral e imperioso,
Um pequeno orifício nos lábios,
Um amortecer de fumo entrando dentro de mim.
Que prazer!
Inspiro…expiro…
Um novo gesto, desta vez, de misericórdia, e solto-o,
Liberto o fumo que prendia em meu peito
E deixo-o voar.
Espalha-se no ar…
Intoxica e infecta…poderoso e largo…
Esfuma-se nele próprio, nada, viaja,
Ondula-se, gesticula, frio e cruel.
E a mão ergue-se de novo num ritual vampírico e fantasmagórico.



(A imagem que coloquei, um abismo de beleza, pertence a um verdadeiro artista, chamado José Marafona. www.josemarafona.com).


publicado por Rute às 16:19
link do post | Your Thoughts | favorito
|
19 comentários:
De Linda a 21 de Dezembro de 2004 às 18:38
Bonito poema! Feliz-Natal!Feliz Ano Novo!Para si e sua Família e Amigos.


De Maria a 21 de Dezembro de 2004 às 18:14
Obrigada pela visita. Este poema está lindo!


De Katarina a 8 de Dezembro de 2004 às 21:27
A tua escrita é tao profunda k eu simplesmente n consigo fazer um comentário à altura...parabéns!! continua!!


De madness a 1 de Dezembro de 2004 às 19:29
tantas sensaçoes, tantos movimentos, tantas emoçoes, tanto de tudo. É sinal que Vives!


De madness a 1 de Dezembro de 2004 às 19:28
tantas sensaçoes, tantos movimentos, tantas emoçoes, tanto de tudo. É sinal que Vives!


De Andr Moraes a 1 de Dezembro de 2004 às 16:28
Me visitou, né? Gostei do seu blog...


De verdinha a 1 de Dezembro de 2004 às 16:16
bonito texto, mts sentimentos ai expostos..gostei =P


De verdinha a 1 de Dezembro de 2004 às 16:15
bonito poema, mts sentimentos ai envolvidos..gostei =P


De Ruy a 1 de Dezembro de 2004 às 13:21
adoro poesia assim: com alma, força, que sente à flor da pele, real...


De Joao a 1 de Dezembro de 2004 às 04:04
Obrigado pela visita,tb tens um excelente conteúdo.Belo post,nele estão contidos a totalidade absoluta que abarca todos os conceitos do conhecimento humano.Corpo é movimento, logo atrai,daí versus alma,dá para tudo.Transcendência,imanência,existência,fenomenologia,sensibilidade,entendimento,imaginação etc,etc,....Um abraço,continua assim!!!!!!!!!!!!!


Comentar post

.Me, Myself & I


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.Pesquisar neste blog

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Thoughts

. Fim da linha

. Fantoches

. Tempo

. Cartas

. Despida

. Espelhos

. Encantamento

. A caminho

. Monstros

. Nós

. Durante a madrugada

. Ao outro dia

. Rever

. Acordar de Novo

. Madeira e Carmim

. Perturbações

. Memórias Recentes

. Sede

. Recordações num pedaço de...

. De novo, cansa

. Sentimentos, confusão e l...

. Frenesim

. Espasmos

. Momentos de Amarras

. Brisa

. Palavras

. Nasci de novo

. Uma vasta e densa forma d...

. Strings

. Uma e Só

. Esgrima

. The taste of "Something i...

. Purpúra

. Corpo

. Sarilhos

. Quando...

. Quando se começa a perder...

. Quando se começa a perder

. Extase

. Aflição

. Estagnação

.Thought Moments

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

SAPO Blogs

.subscrever feeds